CURIOSIDADES

Exemplos de superação

O grande campeão e o atleta comum.

rafaela_silva_18082016_111201_g

Não basta só querer. O atleta, para ser vitorioso na carreira esportiva, deverá ter muita dedicação, força de vontade e lutar pelo seu espaço, mas sobretudo, ter atitude e caráter. Já atletas de excepcional potencial morrerem na praia. Tinham tudo para deslanchar na carreira; entretanto, não passaram de mais um fiasco esportivo. O sucesso exige muita disciplina. Não acreditem na sorte. São necessárias muita dedicação e, é claro, capacidade de superação. 

Para ilustrar, vamos falar de Franz Beckenbauer Na Copa do Mundo de 1970, ele era uma das estrelas da Alemanha. Na semifinal daquele mundial, num jogo emocionante, a Itália venceu a Alemanha por 4 a 3. Foi um jogo épico. Mais épico ainda foi Beckenbauer. O craque teve uma fratura na clavícula justo quando a Alemanha já havia feito todas as suas substituições. Com isso num gesto de superação, o jogador seguiu em campo com uma bandagem apoiando o braço e jogou toda a prorrogação. No entanto, Beckenbauer não é excessão. 

Outra cena comovente foi protagonizada pela maratonista suíça Gabrielle Andersen nas Olimpíadas de Los Angeles, em 1984. Ela entrou no estádio, no fim da prova, completamente desfigurada. Por mais que os organizadores insistissem para que ela desistisse da prova e recebesse ajuda médica, ela rejeitou. Cambaleando, quase desfalecida, ela cruzou a linha final. O esforço da atleta foi apladido de pé.  Ainda hoje essa cena é vista como exemplo de superação dos limites do corpo humano.

Outro exemplo é o de Antônio Carlos Gouveia, ou simplismente Carlão, capitão da seleção brasileira campeã olímpica de 1992, em Barcelona. Na final, 1994, da primeira edição da Superliga de vôlei, no jogo entre a sua equipe, a Frangosul, e o Suzano, Carlão continuou em quadra mesmo depois de ter quebrado o pé e ajudou sua  equipe a conquistar a primeira Superliga. 

Também foi de arrepiar o que aconteceu com o maratonista Vanderlei Cordeiro de Lima nas Olimpíadas de Atenas, em 2004. Ele superou-se ao continuar na prova mesmo depois de ser atacado por um torcedor fanático enquanto liderava a competição e ainda garantiu a medalha de bronze de forma heroica.

Não podemos nos esquecer da judoca Rafaela Silva. Depois de ser difamada nas redes sociais e de ser chamada de "macaca" após ser eliminada em Londres, em 2012, e, de forma brilhante, conquistar o ouro na Rio 2016, chorando, desabafou: "Treinei muito depois de Londres porque não queria repetir o sofrimento. Depois de minha derrota, muita gente me criticou, disse que eu era uma vergonha para minha família, para meu país. E agora sou campeã olímpica".

Como disse Fernando Vanzolini, o autor da belíssima canção "Volta por cima": "Reconhece a queda e não desanima; levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima". São atitudes como essa que diferenciam um grande campeão do atleta comum. Poderia citar vários exemplos semelhantes, mas vamos ficar por aqui.


aff26692_581c_4627_a146_39a403dcf72b

-

Carlos Eduardo Guilherme (Pacome)

Ex-técnico de voleibol com vasta experiência no esporte nacional desde a iniciação até o profissional. Foi treinador do Minas Tenis Clube por mais de 30 anos além de escritor e filósofo.